http://www.sdtibm.cv/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/1483511.jpg http://www.sdtibm.cv/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/5328002.jpg http://www.sdtibm.cv/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/9543243.jpg http://www.sdtibm.cv/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/2672794.jpg http://www.sdtibm.cv/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/5706125.jpg http://www.sdtibm.cv/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/5637346.jpg http://www.sdtibm.cv/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/6213337.jpg http://www.sdtibm.cv/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/6028008.jpg http://www.sdtibm.cv/components/com_gk2_photoslide/images/thumbm/9125619.jpg
Home
Português (Brasil)English (United Kingdom)
Cabo Verde disponível para receber voos low cost
Seg, 23 de Março de 2015 11:33   
Cabo Verde disponível para receber voos low costO Governo de Cabo Verde está "completamente aberto" aos voos ’low cost’ (baixo custo)pretendendo intensificar um acordo nesse sentido com a União Europeia (UE), disse à agência Lusa a ministra das Infra-estruturas e Economia Marítima, Sara Lopes.
 
Sara Lopes, que falava à Lusa à margem da V Reunião da Comunidade das Autoridades de Aviação Civil Lusófonas (CAACL), na Cidade da Praia, não adiantou uma data para que tal aconteça e defendeu que a concorrência e as liberdades aéreas, para um país insular e pequeno como Cabo Verde, só trarão vantagens.
 
"Cabo Verde está completamente aberto. Estamos a propor à União Europeia um acordo vertical há algum tempo. Começámos com alguma timidez, mas queremos intensificar esse diálogo, porque pensamos que um país pequeno como Cabo Verde, com uma escala tão reduzida, só tem a ganhar com as liberdades aéreas", afirmou.

Para Sara Lopes, o sector dos transportes aéreos não pode contar com políticas proteccionistas, por não servir os interesses do arquipélago já que não obriga a melhorar continuamente os serviços a prestar.

Além dos Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV), apenas quatro companhias aéreas - TAP, TAAG, Air Senegal e Royal Air Maroc - têm voos regulares para o arquipélago.

"Neste mercado da aviação internacional só sobrevive quem faz bem, quem presta um bom serviço, quem garante segurança e regularidade. As liberdades aéreas são fundamentais para Cabo Verde, que quer ser um país com níveis de acesso muito mais elevados", salientou a governante.

"Actualmente, Cabo Verde só tem ligações directas diárias para uma capital no mundo, que é Lisboa. Não temos mais. Esse indicador deve interpelar-nos a todos os níveis. É um nível de acessibilidade muito baixo e que teremos de resolver nos próximos anos. Acreditamos que o ’low cost’ é a solução para também aumentarmos o turismo e o nosso mercado de consumo", concluiu a ministra das Infra-estruturas e Economia Marítima, Sara Lopes..

Por sua vez, e também em declarações à Lusa, João Monteiro, presidente da Agência de Aviação Civil (AAC) de Cabo Verde, considerou que o mercado do sector está a tornar-se "cada vez mais global e liberalizado", pelo que disse acreditar que "haverá lugar para todos". Mas cada um terá que lutar pelo seu espaço no sistema de transportes aéreos.

Afirmando-se defensor do "céu aberto", o presidente em exercício cessante da CAACL, que passará sexta-feira o "testemunho" ao homólogo da Guiné-Bissau, considerou que essa política beneficiará todos os países e o sistema de aviação em geral.

"O acordo de Yamoussoukro, que definiu a estratégia de ’céus abertos’, é um objectivo a alcançar. Há já bom entendimento entre os Estados, mas a própria Comissão da Aviação Civil da União Africana (ACAFAC) deu já passos importantes nesse sentido, fazendo cumprir esse acordo com os países que se mostrarem interessados", referiu.
 
Fonte: A Semana 
 

Contactos

Tel:  +238 251 9200

Fax: +238 251 1615

info@sdtibm.cv

Comunicações SDTIBM